sexta-feira, 7 de julho de 2017

A Ordem Franciscana Secular

A Ordem Franciscana Secular
foi fundada oficialmente em 1221, cinco anos antes da morte de Francisco. Ela é composta por pessoas de todas as condições sociais, sejam casadas, solteiras, viúvas, sejam leigos ou clérigos (diáconos, sacerdotes e bispos). Nela há lugar para todas as raças; para homens e mulheres, jovens e idosos. “Sendo assim aberto a todos os grupos e fiéis” (Regra da OFS). Há lugar para todos aqueles que, sedentos de Deus, procuram e comprometem-se a viver segundo o Santo Evangelho, fazendo do Cristo sua razão de viver. “Ninguém dentre nós vive para si mesmo ou morre para si mesmo. Se estamos vivos, é para o Senhor que vivemos; se morremos, é para o Senhor que morremos. Portanto, vivos ou mortos, pertencemos ao Senhor” (Rm 14, 7s).
Os franciscanos seculares professam uma regra de vida específica, confirmada pela Igreja. São assim “fermento na massa”, “luz no mundo” e “sal da terra”. Procuram viver em suas vidas o seguimento de Cristo, “passando do Evangelho à vida e da vida ao Evangelho”.
Os Franciscanos Seculares constituem uma verdadeira Ordem na Igreja. Não formam um mero movimento ou associação qualquer, tampouco uma pastoral. A Ordem Franciscana Secular (OFS) é uma Ordem reconhecida como tal pela Igreja, com forma de vida, chamada Regra (aprovada pela Santa Sé através de bulas papais), Constituições Gerais e estatutos, sendo assim uma instituição de direito pontifício. Como tal, ela é acolhida e aceita pela Igreja em todo o mundo. Hoje, a OFS está presente em 72 países com cerca de 430.000 Franciscanos Seculares Professos atuando nas mais diversas áreas da Igreja e da Sociedade.
“A Ordem Terceira Franciscana (OFS) nasceu no coração de vosso Seráfico Pai, no dia em que uma falange de almas, comovidas e impelidas pelas palavras dele, pediram acompanhá-lo pelas estradas que ele percorria seguindo as pegadas de Cristo, em cujo nome ia ele repetindo: “Sêde perfeitos” (Mt 5,48). Mas como não era possível que todos praticassem os conselhos evangélicos, Francisco lembrou-se de que se o quisessem, todos poderiam tender à perfeição de seu estado, e consegui-la sem abraçar o estado de perfeição. Abnegando a si mesmos, todos poderiam ser dóceis instrumentos nas mãos de Cristo: prontos para qualquer desejo d’Ele, para qualquer aceno seu. E esta adesão completa e perene à vontade de Deus, esta afetuosa mas forte dedicação a Ele e à sua vontade, esta inteireza e perfeição de vida à luz do Evangelho podem ser todos os cristãos, e, fato, têm sido de muitos em todas as épocas.
A Ordem Terceira Franciscana (OFS) nasceu para corresponder a esta sede de heroísmo naqueles que deviam ficar no mundo, mas não queriam ser do mundo. A Ordem Terceira, pois, quer as almas, que, no seu estado, anseiam pela perfeição.
Sois uma Ordem: Ordem leiga, mas Ordem verdadeira. Ordo veri nominis, como lhe chamou o Nosso Predecessor, de santa memória, Bento XV. Como é óbvio, não sereis uma assembleia de perfeitos; mas deveis ser uma escola de perfeição cristã. Sem esta resoluta vontade não se pode convenientemente pertencer a milícia tão seleta e gloriosa”.
Discurso do Papa Pio XII ao Congresso de Dez mil Terceiros Franciscanos em 1º de julho de 1956, em Roma.
O projeto de vida de todo o cristão e especialmente de todo franciscano secular é o seguimento da vida de Nosso Senhor Jesus Cristo, conforme os ensinamentos que nos foram revelados através do Santo Evangelho. Por isso, “A Regra e a vida dos franciscanos seculares é esta: observar o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo o exemplo de São Francisco de Assis, que fez do Cristo o inspirador e o centro de sua vida com Deus e para com os homens” (Regra OFS nº 4 e 1Cel, 18, 115).
 Fernanda Olmi, OFS e Frederico Félix, OFS


Nenhum comentário:

Postar um comentário